Pesquisar este blog

Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Um padre com pose de Don Juan e Casablanca




Quem não conhece a história romântica e sedutora de Casablanca e Don Juan? Não há mulher que tenha assistido ou lido os livros que não se encantasse com  essa história, demonstrando o aparentemente mais gentil dos homens, mas nas entre linhas não é bem assim! Don Juan é um mito sobre um homem que seduzia e encantava as mulheres com sua beleza e lindas palavras dirigidas às belas mulheres, causando inveja aos outros homens. 

Casablanca realmente é uma historia real de um homem perverso que se satisfazia em seduzir belas mulheres. Ele descobriu a capacidade de encantá-las. Não tinha pretensão de possuí-las, mas de conquistar sua alma e quando apaixonadas eram descartadas, sem preocupar-se  com as conseqüências, abandonando-as em situação delicada e coração arrasado.

Num diálogo com um professor, um homem de alma feminina, ele me disse que o inferno é o outro, como o definiu Jean Paul Sartre. Eu concordo! No momento, companheiras, as formas de relacionamentos mudaram: compramos, vendemos, namoramos e estudamos através da internet. Através dessa mídia eis que surgem os Casablancas dos tempos modernos. Os mesmos aparecem com um belo discurso. Qual de nós solitária não nos apaixonaria por um homem que nos seduz  contando-nos  uma bela  e charmosa história, arrancando da mulher o extinto de proteção ao ouvir que é padre de uma igreja libertadora e transformadora, apregoando que a transformação da sociedade partirá da teoria de que a família é a chave real de tudo? Porém, nada disso companheiras! Esse homem é casado, tem família e passou por outros casamentos, deixando filhos e, no casamento atual, a mulher que está ao seu lado acredita nessa teoria dissimulada. Enquanto ela trabalha preocupada com o bem comum de sua família , cuida da casa e dos filhos, esse homem usa sites de relacionamentos para seduzir mulheres de dezoito a trinta anos, sem considerar o ridículo de que ele já passou dos sessenta anos de idade .

 Em quem acreditarmos? Pergunto-me.

Quem conhece esse padre de perto, em princípio,  se encanta com suas palavras e a sua  aparente simplicidade ao nos contar sua  historia de luta pela igreja e por uma família sólida e como trata tão bem sua enganada esposa todos acreditam em sua versão de bom homem e grande religioso.

Companheiras, façamos uma reflexão sobre isso. Não há nada de errado com a internet, mas sim com o velho hábito dos falsos religiosos que se igualam a tirania de igrejas onde todos os dias ouvimos falar de pastores homofóbicos, padres pedófilos e tantas discriminações. 

Ouso afirmar que  a transformação social acontece  através de  mudanças políticas e culturais, através de  debates profundos, sem medo de nos desfazermos de antigos conceitos e velhos paradigmas e não de papo furado de religiosos que pregam uma coisa e fazem outra, iludidos de que não serão descobertos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas