Pesquisar este blog

Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 30 de outubro de 2011

Os mitos que matam


 O retrocesso na Líbia: O novo governo será a sharia.
Sharia significa “caminho para respeitar a lei de Deus”, mas sem respeito pelos valores dos indivíduos.
Assim, o anúncio de Jalil durante as celebrações de Bengasi depois da morte de Kaddafi, provocou uma onda de inquietude no mundo ocidental. Pelo menos no meu mundo e daqueles que fizeram a leitura correta do governo Muammar Kadafih. Não era a primeira vez que o chefe do conselho de transição clarificava o assunto:
“- Nós, como nação muçulmana, consideramos a sharia como principal fonte de lei” declarou Mustafa Abdul-Jalil.

A partir de agora o que vai determinar o futuro do país vai ser a nova interpretação da sharia. Porque a maior parte dos países muçulmanos consideram-na a fonte principal de direito. Alguns aplicam-na de forma radical, como os países do Golfo, Irão, Afeganistão, Paquistão, Arábia Saudita e alguns países africanos. E como já foi aplicada antes do governo Muammar Kadafih na Líbia. 

A dúvida agora é saber se a Líbia vai escolher a via do progresso e a evolução da sociedade, ou inclinar-se-á por uma via mais arcaica?  O principal perigo será para as mulheres, já que a eleição de uma sharia mais moderada ou uma aplicação radical determina se perdem ou não os direitos conquistados. Durante o governo Kadafih foram conquistados vários direitos para as mulheres e trabalhadores.

Na Líbia de Kadafih não havia ladrões e nem prostitutas como na época da colonização italiana. Como em toda colonização imperialista a primeira atitude é prostituir as mulheres, execrar os homens e tirar o direito das crianças de serem crianças, ou melhor dizendo usurparem suas culturas. Os demônios do império. As crianças da Líbia durante o regime de Muammar Kadafih eram crianças alegres, frequentando escolas de qualidade, com direito a saúde e ao lazer. As crianças e os jovens eram saudáveis e alegres. Os velhos eram esguios e saudáveis.

As adolescentes eram jovens felizes e usavam roupas como as mulheres do Ocidente, e algumas mulheres usavam roupas tradicionais, por escolha, não por imposição. As mulheres foram livres durante o governo de Muammar Kadafih. Foi aprovada a lei do divórcio e afirmada à monogamia.

Bem, essa era a Líbia que pouca gente conhecia e a mídia ocidental não fazia nenhuma questão de mostrá-la. Como o mundo ocidental poderia mostrar a Líbia, explicar que o velho coronel havia dividido a riqueza com a população do país, que não queria ver ninguém sem teto, com fome, sem educação e sem muitas outras coisas mais que dignificam o individuo.

Na Líbia de Kadafih os diálogos como socialismo e comunismo eram passatempos preferidos. Sabia que na Líbia de Kadafih cada pessoa lia mais de trinta livros por ano? Quantos livros você leu esse ano?

Estamos nos preocupando com algo que nos afeta financeiramente e em todas as áreas da nossa vida: o capitalismo, o neoliberalismo e o imperialismo. E é necessário que nos preocupemos, mas é necessário que urgentemente nos organizemos contra esses monstros invisíveis que matou Muammar Kadafih e que mata milhões de pessoas todos os dias, sem que ninguém nem saiba o motivo de suas mortes, de estresses engolidos por esse câncer social. Esse sistema até para mim mesma que não tenho muitas crenças, vejo como um carma ou um pecado, e que só poderemos enxergar a partir de um olhar fora da ditadura da revista Veja, do sistema Globo de televisão e as noticias e discussões vazias e alienadoras. Mas nada com o qual já não estejamos acostumados, visto que pagamos impostos para tudo e não recebemos nada em troca (nem educação, nem saúde, nem estradas, nem polícia, nem…). Convivemos pacificamente com polícia que é bandida, com grupos de extermínio, velhos, bispos, padres, freiras e jovens sendo perseguidos, mulheres, idosos e crianças sendo violentados, jornalistas que não fazem parte da mídia monopolizada sendo intimidados.

Você sabia que se você for (como eu fui), com uma mulher a uma delegacia para pedir para ajudar com um familiar que se tornou agressivo e ameaçador pelo uso do crack, o policial te dirá que infelizmente só pode fazer a ocorrência a não ser que ele tenha te batido, matado ou estuprado. A delegacia do idoso e da mulher muitas vezes é uma farsa, não tem o número suficiente de policiais preparados para atender as ocorrências. E alguns fazem parte do sistema da polícia que é treinada para ser violenta e não inteligente. Aprendemos a conviver passivamente com as privatizações do nosso patrimônio público, com as notícias mascaradas que os jornais monopolizados mostram de escolas lindas e crianças felizes, que só existem na cabeça do governo e do secretário de educação e de todo sistema coronelista. Quando assisto essas noticias ou leio, sempre me pergunto em que pais eles moram. Falta saúde, falta justiça, falta educação. Esse é o Estado em que moro, e sobra barbárie.

Para a maior parte dos ocidentais a imagem da sharia corresponde a lapidações e outras execuções com tortura, à total violação dos direitos humanos.

Falando da minha casa, há Kadafhis na Líbia, Iris Resende em Goiás. Na última eleição e em algumas outras os factoides foram usados, estigmatizando o ex-governador de Goiás Iris Resende Machado, de uma espécie de carrasco do funcionário público. Baseado no fato de que Iris Resende enxugou a CELG no seu governo anterior e outros setores públicos, do numero excessivo de cabides de emprego e salários exorbitantes. O começo do fracasso da CELG em Goiás. E essa história foi dita e redita, e como diz o ditado popular: Uma mentira contada muitas vezes passa a ser verdade. Iris Resende em Goiás foi uma espécie de Kadafih, fez mutirões para construir casas para o povo, construiu praças, plantou árvores, asfaltou ruas. Como ministro da agricultura levou o estado de Goiás ao desenvolvimento agrícola. Em seu último mandato como prefeito de Goiânia trabalhou cada dia, ao se afastar do governo para concorrer às últimas eleições para o governo do Estado deixou seu antecessor o Prefeito petista Paulo Garcia, que tem feito um trabalho magnífico em valorização da mulher, como assinar o documento libertador criando uma Secretaria da Mulher em Goiás, que tem a frente da assessoria Tereza Cristina, uma mulher que luta bravamente pelo empoderamento e libertação da mulher. Tem feito um excelente trabalho na Secretaria de Igualdade Racial com o secretário Jose Eduardo a frente da secretaria. Infelizmente não podemos dizer o mesmo da administração estadual.

Iris Resende Machado não perdeu a eleição para esse governo atual, perdeu para a campanha milionária e mentirosa do governo atual. Esse é o pecado de Iris Resende Machado.  E qual foi o erro de Kadafi na Líbia? Eu não tenho a menor dúvida. Foi acreditar nos euro-estadunidenses e desistir de sua bomba atômica.  Lamentavelmente esqueceu a Bomba Atômica. E pagou por isso.

E aqui em Goiás o povo é quem paga, o Estado esta sucateado, não há mais esperanças para a CELG. Você quer ir visitar as escolas estaduais para ver como trabalham os professores e que escolas formam as nossas crianças, o futuro do pais, será que formam ou elas se evadem em busca de prazeres como o crack? Falta modelo e sobra descaso. Eu os convido e vocês verão que vergonha. O contraste das escolas estaduais e os prédios e condomínios imponentes que o regime capitalista constrói e o governo mascara a realidade. Você sabia que em Goiás há dois tipos de sociedade de mulheres: As mulheres que vivem no luxo, com seus cabelos escovados, felicidades prozaquianas, alienadas que moram em condomínios fechados, a classe dominante, pisando encima da cabeça da classe dominada, e as mulheres anônimas que não tem uma escola ou creches de qualidade para deixarem seus filhos para irem trabalhar, que passam parte do dia pisadas e amassadas dentro dos ônibus. Esse é o governo da sharia em Goiás ,encima de homens, mulheres e crianças que perdemos todos os dias para o crack.

E abaixo a Ditadura, ao neoliberalismo vergonhoso em Goiás. Meu lindo e promissor estado de Goiás, de mulheres guerreiras e homens trabalhadores. Queremos dignidade e soberania nacional para nosso Brasil.
Eu Jucilene Pereira Barros que amo homens revolucionários e corajosos como Che Guevara, Salvador Allende, Evo Morales, Hugo Chaves, Muammar Kadafih, Fidel Castro,Tiradentes, Zumbi dos Palmares, Getulio Vargas e meu querido e eterno presidente Lula, que não se rebaixam as esses bárbaros, demônios do império e nem a esses neoliberalistas vergonhosos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas